Durante um certo período de tempo tive a experiência de cuidar de animais numa Quinta. Como está claro na Quinta além de serem criados , os animais no momento da maturidade deles, também terão de ser abatidos e este foi o momento em que eu me identifiquei com aqueles que poderiam ser os seus pensamentos, visto por nós seres humanos.
Espero que os leitores possam entender o significado de moral e bom humor!
A vossa querida amiga
Isabel

AMIGOS LEITORES SE QUEREM PODEM VISITAR OS MEUS OUTROS BLOGS. ESPERO MUITOS!

domenica 7 maggio 2017

" Wonderful" A Saga do Galinheiro - Lisboeta o galo III episódio

                                  
                                                          Lisboeta o galo

Infelizmente lá no poleiro onde eu vivia em Mira, as lutas continuavão todos os dias comigo e com o " Papo-Seco"e tudo isto como vocês sabem por causa da “Rosinha” aquela franguinha que ele andava a fazer ao piso, mas que culpa tenho eu se ela tambem olhava pra mim? E' claro que eu de bom lisboeta con origens italianas porque é que a deveria deixar escapar?
Como as coisas se metiam muito sérias e do momento que a Rosinha eu já a tinha 'papado', assim resolvi ir -me embora e como esta coisa deu-me muitas chatiçes, acabei por esmaltir o nervoso reclutamdo-me na “Legião Estrangeira” porque eu sou um tipo forte e valente!
Lá para aqueles lados na guerra não é que tivessem muita precisão de mim e assim passei o tempo atràs das penas duma franguinha muito emancipada (naqueles tempos era só ela que estava alí, chamava-se Susana) e assim davamos de vez em quando umas voltas de jeep e estávamos ás ordens de um certo coronel seu chefe, um perú muito porreirinho que de vez em quando atè fechava os olhos...
Ora come eu comecei a estar farto daquilo e esta tambem como jà  a tinha "papado", fiz as malas e voltei pra capital e eis-me aqui no “Bairro Alto” com os parentes e amigos a festejar o regresso e assim  fomos ouvir cantar o fado pela Amália “As penas das avezinhas” no "Retiro da Severa", e para acabar a noitada fomos beber umas ginginhas, na casa da Mariquinhas pra manter a tradição, uma ginginha agora outra depois acabamo-nos por se emborrachar, mas eu digo : quando os borrachinhos se embedam o que è se diz? 'Estavam todos 'galos'?mah.....
Depois da farra lá fomos pro poleiro cantado”♫...Là em cima està o“ Tiro liro liro, cá em baixo tá o tiro liro lò...(esta faz-me lembrare o Ladislau, pai da escritora destas historias que lhe cantava quando ela era pequenina...)
Naturalmente, uma vez aqui em Lisboa, como eu não gosto de estar sòzinho comecei a procurare-me uma compagnia, e bica pra direita e bica pra esquerda eis que a incontrei! Chama-se Rosalina è italiana e estava a passar ferias em Portugal (menos mal, porque eu tambem tenho as mesmas origens), mas  esta coisa não é de admirare porque como vocês sabem com a globalização,  os galos e as galinhas andão misturados por todo o mundo, vem de uma ilha che se chama a Sicilia, mas coisa curiosa tambem nos acumuna este pormenor porque em Sicilia eles têem um vulcão che se chama Etna e nòs como não somos de menos a Napoles tambem temos um que se chama o Vesuvio!
 E' muito gordinha pesa 9 kg ,(penso que verà uma boa galinha de fricassé),  muito gira com o olhito castagno e muito conhecida  là em Italia tanto que um certo cantor o Fabio Concato, dedicou-lhe uma canção” Rosalina”, se a querem ouvir vão no “You Tube”!  Intusiasta de esportes, gostava muito de andar em bicicleta, ora eu não sei se o fazia para emagresser ou se era só para passear.
Como podem calcular é claro que tambem esta, não me podia escapar, e assim começou a conquista o que até não foi facil, mas tive que ir atràs dela atè a Sicilia.
Visto che ela amava a musica portoguesa puz-me por baixo da sua varanda e tipo “Romeo e Julieta com a viola na mão acompanhado por dois guitarristas comecei a cantar a nossa mais famosa “ Uma casa portuguesa "  mas claro, com os meus arranjamentos, assim em vez de “casa” chamei-a “Um poleiro português”.
 Nada de admirar se ficou logo apaixonada pelo tom alto da minha voz, é uma coisa natural, é ou não é, que sou eu que com o meu cantarolar acordo todo o pessoal ás 5 di manhã ?
Mas quando lhe cantei “Teus olhos castagnos do Francisco José, os olhitos dela pareciam até ter a forma de dois ♥ ♥ e eu pensei ...
Està feito, a franguinha é minha!
Ora parecia que andava tudo correr bem e às mil maraviglias, mas..
Começaram os problemas, la 'ragazza' tinha como 'Padrinho' um certo Don Vito Corleone que tambem era siciliano mas que, se encontrava  alì na Ilha vindo dos Estados Unidos de proposito, para ajustar umas contas com uma certa familia que lhe tinha matado o pai quando era pecherrucho, pobre galo!
Ora visto que não sò ele  mas tambem a "familia"  dela estavam sempre  com olhos em cima de mim ( pensem nem sequer nos deixavão andar sòzinhos, começei a ter muitas dificuldades, o que è que fizemos? Pegamos na troxinha e fugimos passando a noite fora, lá para os lados la Ilha siciliana atè chamam a isto de fujir a '' fuitina'', è claro que quando voltamos, (dizemos sinceramente que eu atè me queria pirar) mas o pior è que não consegui e assim...
Ela logo na volta levou uma coça da mãe, porque estas coisas  não se fazem e eu fui ameaçado da D. Vito que se não casava...oi...oi...e assim lá fomos a casamento com tanto de beijinho na mão porque aquele è um dos costumes da familia da minha esposa e, com a benção do "Padrinho" e com "lupara” ao lado dele claro está! (a lupara è uma espingarda con dois canos muito usada em Sicilia para acabar com as discussoes!)
Tenho que vos dizer que  após  a noite de núpcias e  porque tradições são tradições, foi exposto na janela de manhã cedo, o lençol com a prova que a franguinha estava "impecável", (mas dizemos a verdade eu fiz um cortezinho numa pata assim que o lençolzinho ficou manchadoe neste modo as aparençias foram salvadas!), ficaram todo contentes...ih.ih
 Mas, e fica pra gente, eu ia là passar una noite con uma franghinha tão gira sem por lhe as patas em cima? Eu sou um gallito serio, eh,eh!!!
Bom, depois là voltamos para Portugal para o nosso poleiro no Bairro Alto aonde eu vivia, não digo como dois 'pombinhos' porque eu não gosto de misturas de raças mas como dois corações e uma cabana.
A historia acabava por aqui, se não fosse que a minha senhora não gosta que eu esteja de mal com alguem e assim bem ou mal là tive que ir fazer as pazes com o “o Paposeco”. É claro que eu atè podia ir sòzinho là pra Mira mas como a Rosalina insistia tanto para me acompanhare, foi comigo... e assim foi uma comossão general “uma vale de lagrimas” quando apertamos as patas,emfim!
A proposito (não é que a mim me interessasse muito mas fui convidado como padrinho pro casamemto dele con Rosina, que chatiçe!!!

Desculpem se vos deixo mas ao pé da gente veio morar duas familias de galos italianos amigos com a minha Rosalina uma chama-se “Os galos Casalesi” e a outra os galos “Lazzarella” estão  pra lì a dar porrada uns nos outros porque uns dizem que... 'o poleiro è meu, os outros dizem não, è  meu, meu ,meu!' e eu...
Bom, è melhor que eu intervenha antes que acabem todos no Penitençiário de Lisboa.
Mas è possivel que nunca se pode viver em paz?

Ah se voçês querem saber quem são estes  “Casalesi” e estes “Lazzarella”


...pesquizem...pesquezim...

Nessun commento:

Posta un commento